A nota da Sintur-JP e o macaco

Por Fonte83 - 17/01/2021

Acabei de ler a nota do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros no Município de João Pessoa (Sintur-JP) endereçada ao portal MaisPB sobre matéria veiculada nesse sábado (17) e que foi reproduzida pelo Fonte83 na íntegra. Para resumir e não ir muito longe, a nota mente em poucas linhas o que um macaco não pula em um ano. Fábio Rocha neles!!!!

Leia a matéria e nota na íntegra:

Em nota encaminhada neste domingo ao Portal MaisPB , o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano em João Pessoa (Sintur-JP) garante que respeita os protocolos sanitários diários e que “o transporte coletivo por ônibus não se consitui em vetor de contaminação, desde que se tenha os cuidados da área ”.

A nota refere-se a postagem sobre o comentário do jornalista Heron Cid, intitulado “Transporte público ignora protocolo, põe usuário em risco e nada acontece”.

No comentário, veiculado no Programa Hora H , da RedeMais , o jornalista alerta para a superlotação dos ônibus em horários de pico e para o fato da aglomeração, com risco notório iminente de contaminação dos usuários, ser assistida com omissão ou conveniência silenciosa das autoridades.

“Entre as medidas de segurança, adotamos a testagem de todos os colaboradores do sistema; uma imunização contra o H1N1; o embarque obrigatório com uso de máscara; álcool em gel em toda a frota à disposição dos passageiros; reforço da higienização dos veículos antes do início das viagens, nas garagens, e durante o dia, equipes móveis atuam nos terminais reforçando a limpeza ”, defende-se o Sintur-JP.

O transporte coletivo de João Pessoa, acrescenta a nota, “retomou suas operações em julho do ano passado e, conforme os próprios informativos divulgados pelas autoridades de saúde, ao longo dos meses seguintes, revelado-se que o transporte coletivo por ônibus não se consitui em vetor de contaminação, desde que se tenha os cuidados médicos ”.

O Sintur-JP ainda ressalta “que trabalha diariamente para o cumprimento dos protocolos sanitários e para garantir a segurança dos passageiros e dos operadores do sistema”.

Na nota, o Sindicato não fala sobre o ponto central do questionamento: como garantir a segurança do usuário com pessoas espremidas em superlotações, sem o mínimo distanciamentos sociais entre passageiros, e nem redução ou controle do número de pessoas por viagem, o que é exigido em outras atividades?

Confira o esclarecimento na íntegra:

A respeito da matéria publicada no portal “MaisPB”, no dia 16 de janeiro, com o título “Transporte público ignora protocolo, põe usuário em risco e nada acontece”, o Sintur-JP esclarece que os protocolos sanitários adotados desde o início da pandemia continua sendo cumprido diariamente.

Entre as medidas de segurança, adotamos a testagem de todos os colaboradores do sistema; uma imunização contra o H1N1; o embarque obrigatório com uso de máscara; álcool em gel em toda a frota à disposição dos passageiros; reforço da higienização dos veículos antes do início das viagens, nas garagens, e durante o dia, equipes móveis atuam nos terminais reforçando a limpeza.

O transporte coletivo de João Pessoa retomou suas operações em julho do ano passado e, conforme os próprios informativos divulgados pelas autoridades de saúde, ao longo dos meses seguintes, mostrado-se que o transporte coletivo por ônibus não se consitui em vetor de contaminação, desde que se tenha os cuidados cuidados.

O Sintur-JP ressalta que trabalha diariamente para o cumprimento dos protocolos sanitários e para garantir a segurança dos passageiros e dos operadores do sistema.